Diretor de fotografia de 'As Aventuras de Pi' comenta produção do filme

Diretor de fotografia de 'As Aventuras de Pi' comenta produção do filme

Compartilhe

Receba nossa newsletter
Julho de 2015 Edição do Mês

Por Keila Marques


Claudio Miranda dá detalhes da produção do longa-metragem, dirigido por Ang Lee e que combina 3D com cenas digitais realísticas.



Diretor de fotografia de As Aventuras de Pi comenta a produção do filme

O filme "As Aventuras de Pi", em exibição nos cinemas, está atraindo atenção do público devido à qualidade de imagem que une 3D e efeitos gráficos realísticos. A direção do longa-metragem é de Ang Lee, que convidou o diretor de fotografia chileno Claudio Miranda para ficar responsável pelas imagens do filme. Para filmar o longa, Miranda optou por câmeras Alexa da Arri, combinadas com três equipamentos Cameron Pace Fusion - desenvolvido pelo cineasta James Cameron, de "Avatar" - e lentes Arri/Zeiss Master Primes. Os dados de alta definição das filmagens sem compressão foram gravados com a tecnologia Codex.

A aventura de 127 minutos conta a história de Pi, um jovem que sobrevive a um naufrágio e deve esperar pelo resgate em um barco acompanhado de um tigre, no Oceano Pacífico. Em entrevista para o site da Arri, o diretor de fotografia comentou a experiência de materializar as imagens e emoções da história.

Considerada uma história difícil de ser levada às telas, segundo o diretor de fotografia, "As Aventuras de Pi" foi produzido com os ideais dos filmes "Tron: O Legado" e "O Curioso Caso de Benjamin Button" - ambos filmes em que Claudio trabalhou. "Acredito que Ang quis passar em "As Aventuras de Pi" a combinação do 3D de "Tron" e o visual digital não tão eletrônico de "Benjamin Button", comenta o diretor de fotografia.

Segundo ele, Ang Lee sabia que o filme seria filmado em 3D mesmo antes de ele ser escolhido pelo diretor, e que foi um projeto irrecusável para sua carreira. "'As Aventuras de Pi' é naturalista e apropriado para a ocasião em que tentávamos filmar. O visual tem um tipo de aura dourada e sensação mágica, o que reflete na história em si. O filme quer que você mergulhe nele, nas vezes em que há mais cenas de ambientes realísticos. Você sente como se estivesse nessa jornada com o personagem principal, Pi. Como se estivesse com o garoto e o tigre num barco", descreve.

Miranda afirma que, antes do longa ser filmado, ele fez testes com outras câmeras, pois precisava de uma filmagem forte e com entrada de luz controlada. "A Alexa foi a única câmera que não produziu imagens artificiais com os reflexos na água. Isso é bastante crítico na história, com os personagens bem perto da água".

Ainda de acordo com ele, os diretores ficam um pouco preocupados ao tentar filmar um filme 3D em cenas que se passam em cima da água, pois querem ter a certeza de que a "audiência não ficará enjoada e com náuseas". Por este motivo, ele pesquisou os fatores que deixavam as pessoas com náuseas devido à água, para que o filme não causasse esta sensação.

Nas cenas com o tigre, frequentes ao longo do filme, não foram filmadas com um animal de verdade - na maioria das vezes, é um tigre de computação gráfica, idêntico ao real, feito pela Rhythm & Hues Studios. "Creio que 23 ou 24 cenas foram filmadas com o tigre real, o restante foi com computação gráfica ou bonecos. Num ponto nós cortamos do tigre de CG para o real, penso que haverá gente que pensará o contrário. Os efeitos estão realmente bons e está muito longe de qualquer outro que vimos até então", revela.

Notícias Relacionadas